Utilizador de iPhone testa Samsung topo de gama – A experiência

501 0
sapmogo-mobile-2.gif

Como alguns dos nossos seguidores provavelmente já saberão, sou utilizador de iOS há vários anos, sendo que o último dispositivo Android que tive foi um LG G3, um dos equipamentos Android que mais dores de cabeça me deu…

A Samsung cedeu-nos há poucas semanas um Galaxy Note 10+ para testes e eu propus-me a mudar do meu iPhone 11 Pro Max durante duas semanas, para ver como corria a experiência. Vou contar-vos tudo neste artigo!

As primeiras impressões

Logo nos primeiros instantes, ao fazer o unboxing do equipamento, percebi que estava perante uma experiência de unboxing bastante completa. Apesar de ser uma unidade de testes, traz o mesmo conteúdo que o produto que está à venda nas lojas. Ou seja, inclui o carregador Fast Charge de 25W e respectivo cabo USB-C, auriculares AKG, ejector da bandeja de cartões SIM, pontas para a S-Pen e respectiva ferramenta para as substituir.

Quanto ao equipamento em si, fiquei bastante surpreendido com a sua qualidade de construção. Não que me surpreenda, porque a Samsung é reconhecida também pela qualidade de construção dos seus equipamentos, mas vi-me a usá-lo como meu dispositivo principal e que inclusive poderia fazer-me regressar ao mundo Android!

A configuração do software

Quando liguei o equipamento pela primeira vez, a primeira coisa que me saltou à vista foi a localização da câmara frontal, é muito menos instrusiva que o notch do iPhone (de referir que nunca fui grande fã do notch dos iPhones).

Avançando na configuração, vejo que o processo é muito idêntico aquilo que tenho no iOS, neste caso, é nos perguntado se temos uma conta Google, ou pretendemos criar uma. No meu caso, como tenho conta Google, bastou preencher os respectivos campos para efeitos de autenticação nos serviços e todos os meus contactos, conta do YouTube, histórico do Chrome, Google Fotos, ficheiros do Google Drive, etc, sincronizaram automaticamente com o dispositivo.

Depois de configurada a conta Google, é perguntado se temos conta Samsung Cloud ou se pretendemos criar uma, basicamente é o mesmo que a Google oferece mas nos servidores da Samsung.

Após esta configuração inicial, pude começar a instalar as minhas apps de uso habitual!

Como é que foi com as Apps?

Abordando o “Elefante na sala”, todas as aplicações que tinha instaladas no meu iPhone também as encontrei na Google Play Store, com exceção do iMessage que é uma aplicação/serviço exclusivo dos dispositivos Apple.

Apesar de ter todas as aplicações em Android que tinha no meu iPhone, as mesmas têm um design mais apelativo em iOS, ou seja, nota-se que existiu por parte dos programadores uma atenção maior aos detalhes. Algo que gostaria de frisar é que na Google Play Store existe uma interação maior entre as avaliações das aplicações, mas a sua grande desvantagem é a falta de curadoria nas aplicações que são submetidas na plataforma.

É certo que a Google Play Store tem muitas mais aplicações do que App Store da Apple, mas se formos ver grande parte delas ou não interessam ou algumas são disfarces para malware. Claro que o trabalho da Google neste campo tem vindo a melhorar, mas nada ainda semelhante ao trabalho que Apple executa na sua loja de aplicações.

A experiência com o Android

Após a configuração do Galaxy Note 10+, constatei que o mesmo vinha com o Android 9 instalado… Para quem está a acompanhar este artigo e é utilizador de iPhone, tal como eu, provavelmente já estará a fazer aquele sorrisinho maroto a pensar “vais ter a atualização para o Android 10 quando o 11 for lançado…”.

Sabemos que a Samsung demora um pouco mais a lançar uma grande atualização do Android, por causa da sua skin One UI, mais aprimorada quando comparada com a versão do Android Puro da Google. No entanto, nos últimos tempos tem vindo a melhorar esta espera quanto às atualizações o que me faz a mim, um utilizador habituado ao imediato do iOS, a desejar cada vez mais um dispositivo Android, neste caso um Galaxy Note.

Prova disto foi que passado um dia de ter iniciado os testes com o equipamento já estava a receber a última versão do Android 10 – com o patch de segurança de fevereiro de 2020. Nota para o facto de que os testes ao equipamento foram feitos exatamente nesse mês.

A nível de atualizações, as surpresas não se ficaram por aqui, porque nas duas semanas em que testei o equipamento recebi ainda mais duas atualizações. Sendo que uma delas era uma atualização de estabilidade, para efeito de correção de bugs do sistema, e a outra, dado que já tínhamos entrado em março, referente ao patch de segurança do mês.

Enquanto utilizador Samsung no passado, na minha última experiência com o Note 4, fiquei bastante surpreendido com a evolução da linha Galaxy Note e da experiência de utilização com a nova interface da Samsung. Quando comparada a One UI à velhinha TouchWiz, vemos a diferença como do vinho para a água. A One UI tem uma interface muito mais simples, muito mais agradável à vista e melhor otimizada para ecrãs tão grandes como os que temos atualmente. As memórias que tenho da TouchWiz são realmente muito más e tinha a ver exatamente com este ponto, com demasiadas animações, demasiados efeitos sonoros, demasiado bloatware, ou seja, um pesadelo no que respeita a uma fluidez contínua do smartphone.

É obvio que não posso atestar isso com o Note 10+ e a One UI 2.0, porque não estive mais tempo com ele, no entanto, não me restam muitas dúvidas que quem investe neste telefone terá um bom equipamento para mais tempo do que há uns anos atrás.

Quanto à restante experiência do sistema operativo, o Note 10+ inclui algumas novidades relacionadas ao suporte com a caneta stylus incorporada no equipamento e que lhe vou falar já de seguida.

O melhor do Note é mesmo a S-Pen

A S-Pen é sem dúvida a grande vantagem da linha Galaxy Note, e aliás nem sempre pensei desta forma. Dei por mim a ficar fã nesta nova versão do Note. Ela tornou-se numa companheira inseparável quando se quer fazer uma partilha de algo com um amigo ou familiar, permite-nos ter uma melhor precisão quando queremos cortar e colar algo, fazer uma captura de ecrã, editar uma captura de ecrã e até mesmo (para quem é dotado desse talento) desenhar no smartphone.

Há outras funcionalidades que tenho de mencionar, como a possibilidade da S-Pen funcionar como um shutter remoto, ou seja, permite-nos tirar uma foto de grupo com o telefone num tripé apenas carregando no botão incorporado na mesma e permite também no mesmo botão alternar entre a câmara traseira e a frontal.

Balanço da experiência

Não fosse a minha dependência do ecossistema Apple e do iMessage, via-me perfeitamente a utilizar o Galaxy Note 10 +, como meu telefone diário de uso pessoal. Aliás, fiquei muito tentado a adquirir um para uso profissional, quem sabe em breve…

Recomendo vivamente este equipamento, para quem gosta de consumir conteúdos multimédia e até mesmo para jogos, o seu ecrã é uma delícia para os nossos olhos. Ao nível da fotografia podem ver alguns exemplos no nosso artigo da exposição do Tim Burton, todas elas foram tiradas com o Galaxy Note 10+ e ficaram espectaculares. Como seria de esperar de um flagship.

À nossa avaliação positiva do equipamento acrescento mais uma vez a evolução crescente da linha Galaxy num todo. O Note 10+ é apenas a ponta do icebergue, com a apresentação recente da linha S20 e dos restantes gama média (diga-se também eles muito interessantes).

Comparativo de specs – Galaxy Note 10+ versus iPhone 11 Pro Max

iPhone 11 Pro MaxSamsung Galaxy Note 10+
Ecrã OLED Super Retina XDR de 6,5” com suporte a HDR e resolução de 2688×1242 píxeis a 458 pppEcrã AMOLED dinâmico de 6,8 polegadas, com resolução 1440 x 3040 pixels, densidade de ~ 498 ppp, suporte HDR10 + e proteção Corning Gorilla Glass 6
Processador A13 Bionic com Neural Engine de terceira geraçãoProcessador Exynos 9825 (7 nm) – EMEA/LATAM
Qualcomm SM8150 Snapdragon 855 (7 nm) – EUA/China
Face IDLeitor de impressões digitais embutido no ecrã
Bateria de íon de lítio não removível 3969 mAh (15,04 Wh)Bateria de lítio de 4300 mAh
Carregamento rápido de 45W
Câmaras traseiras: 12 MP, f/1.8, 26mm (wide), 1/2.55″, 1.4µm, dual pixel PDAF, OIS
12 MP, f/2.0, 52mm (telephoto), 1/3.4″, 1.0µm, PDAF, OIS, 2x optical zoom
12 MP, f/2.4, 13mm (ultrawide)
Câmaras traseiras: 12 MP, f/1.5-2.4, 27mm (wide), 1/2.55″, 1.4µm, Dual Pixel PDAF, OIS
12 MP, f/2.1, 52mm (telephoto), 1/3.6″, 1.0µm, PDAF, OIS, 2x optical zoom
16 MP, f/2.2, 12mm (ultrawide), 1/3.1″, 1.0µm, Super Steady video
0.3 MP, TOF 3D, (depth)
Câmara Frontal de 12MP Câmara Frontal: 10 MP, f/2.2, 26mm (wide), 1/3″, 1.22µm, Dual Pixel PDAF
Suporte a vídeo 4K até 60fps (Frontal e Traseiras)Suporte a vídeo 4K até 60fps na câmara traseira
Suporte a vídeo 4K até 30fps na câmara frontal
Áudio estéreo e com suporte a tecnologia Dolby AtmosÁudio estéreo e com suporte a tecnologia Dolby Atmos
Fast Charger 18W
Suporte a carregamento wireless Qi
Fast Charger 25W
Suporte a carregamento wireless Qi
Suporte a Apple PaySuporte a Samsung Pay e Google Pay
Software iOS 13Software One UI 2.0 com base no Android 10

Deixe uma resposta