Equipa responsável pelos Exynos sente-se humilhada por estes não serem usados no seu país

475 0
sapmogo-mobile-2.gif

A Samsung, além de um fabricante de smartphones e outros aparelhos eletrônicos, aposta também na produção de componentes, como é o caso dos processadores Exynos. Os telemóveis topo de gama da Samsung utilizam essencialmente processadores produzidos pela própria marca, com a exceção de algumas regiões, como os EUA. 

Contudo, a Samsung optou por colocar um processador da Qualcomm nos Galaxy S20 comercializados na Coreia, o que causou um sentimento de humilhação na equipa responsável pela criação dos Exynos. É algo compreensível. Se é nessa região onde os processadores da gigante coreana são desenhados e se, alegadamente, oferecem qualidade e desempenho semelhante às propostas rivais da Qualcomm, qual é a lógica de simplesmente não os utilizar no seu país de origem? 

Aparentemente, o Exynos 990, concorrente direto do Snapdragon 865, não cumpriu com os requisitos de desempenho desejados após várias avaliações. A divisão “System LSI” (integração em larga escala do sistema) da companhia de tudo fez para a decisão fosse revertida antes de os smartphones serem finalizados, mas sem sucesso. No fundo, esta situação constitui uma ferida no orgulho dos engenheiros que estiveram envolvidos na desenvolvimento do referido processador. 

Apesar de tudo, isto não significa que a Samsung esteja a colocar de parte ou desvalorizar o fabrico dos seus próprios chips. Aliás, a não dependência da Qualcomm no que ao fornecimento de processadores diz respeito é bastante vantajosa para a marca, tanto a nível de negociação como de salvaguarda. De relembrar que há uns anos a Qualcomm lançou um chip algo problemático, o Snapdragon 810. Nesse mesmo ano, muitas marcas foram obrigadas a optar por processadores menos velozes. Outras viram ainda a reputação dos seus flagships cair por terra, devido a problemas de sobreaquecimento. Já a Samsung simplesmente optou por utilizar o seu processador Exynos globalmente (no Galaxy S6), ficando assim imune aos percalços da fabricante americana.

Deixe uma resposta