Como foi usar o Huawei Mate 30 Pro sem os serviços da Google

1106 0
sapmogo-mobile-2.gif

Hoje em dia, para alguns de nós, é impensável utilizar qualquer dispositivo, seja ele um smartphone, tablet ou até mesmo um computador, sem que utilizemos os serviços disponibilizados pela Google. No entanto, foi isso mesmo a que me propus fazer com o Huawei Mate 30 Pro.

Apesar do equipamento em questão não ter os serviços Google, ou como alguns dizem os “GMS” (Google Mobile Services), eu não senti qualquer dificuldade na utilização do dispositivo e para tal vou contar-lhe a minha experiência.

Hardware fenomenal, com uma excepção

O Mate 30 Pro é um excelente equipamento no que toca ao design e câmaras. Como a Huawei já nos habituou desde que fez a parceria com a Leica, as fotos e os vídeos são fenomenais, principalmente o modo noite, onde a plena escuridão se transforma em detalhe e luz.

O smartphone possui um ecrã OLED com acabamento curvo nas laterais, o chamado “edge”, dando-nos a sensação de se fundir com o chassis do equipamento. Este design, destaca-se ainda por ter apenas um botão, o de ligar/desligar o aparelho, sendo que para aumentar o volume do som basta dar dois toques na lateral superior do ecrã para que nos apareça a função de volume.

Carregar a monstruosa bateria de 4500mAh leva pouco mais do que uma hora, e se tivermos alguma pressa basta-nos 30 minutos para que tenhamos a bateria carregada a 72%, isto com o carregador rápido de 40W incluído na caixa. De referir ainda que o Mate 30 Pro suporta wireless charging Qi (carregamento sem fios) rápido de 27W. Vale a pena mencionar também o suporte a carregamento sem fios reverso, para carregar outros equipamentos compatíveis com carregamento sem fios.

Na parte superior do equipamento encontra-se ainda um sensor de infravermelhos, algo raro de encontrar num smartphone hoje em dia, para que possamos controlar os nossos dispositivos, desde a TV ao ar-condicionado, por exemplo. Temos apenas uma coluna na parte inferior e o auscultador para chamadas é incorporado no ecrã, sem que se perca qualidade no áudio das chamadas, aliás, deixe-me dizer-lhe, que a qualidade do som das chamadas me surpreendeu pela positiva.

Tenho de fazer uma nota importante sobre a experiência de áudio neste equipamento. Ao contrário do que seria de esperar ele não tem suporte a áudio estéreo nas colunas, o que para mim, que sou utilizador de um iPhone, é algo decepcionante. Nesta altura do campeonato não é aceitável que um topo de gama, ainda para mais da Huawei, não ofereça este recurso.

Resumindo a minha experiência a nível do hardware, não tenho nada a apontar, com a exceção acima mencionada.

Como é viver sem os Google Mobile Services

Desde que o atual Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, impôs as atuais restrições à Huawei, a marca Chinesa teve de encontrar soluções para que pudesse continuar a ter atividade no mercado de smartphones. Isto sem os serviços da Google. A solução encontrada foi desenvolver ainda mais a sua já existente loja de aplicações AppGallery, tendo apostado forte junto dos desenvolvedores para que começassem a trazer as suas apps para a loja.

Algumas das aplicações, como é o caso do Facebook, podemos pesquisar na AppGallery e somos direcionados para uma página de download da aplicação criada pelo próprio Facebook. No entanto, outras como o Telegram, já se encontram disponíveis para download direto na AppGallery.

Todas as aplicações que não existam na loja de aplicações da Huawei, e que não estejam dependentes dos serviços da Google para funcionar, podemos descarregar em outras lojas, como é o exemplo da Portuguesa Aptoide. Para as aplicações que dependem dos serviços da Google, como o caso de aplicações bancárias ou até mesmo o YouTube, podemos aceder através do browser sem qualquer problema.

Uma das aplicações que depende dos serviços da Google e que funciona sem problemas é o Google Maps, no entanto, e devido à falta dos mesmos serviços não nos é permitido guardar as localizações recentes. Já o Waze, também propriedade da própria Google, não se depara com este tipo de problemas e funciona sem qualquer limitação.

Google Maps a funcionar no Mate 30 Pro

Relativamente a aplicações nacionais, já existem bastantes como é o caso do MBWay, que funciona perfeitamente, a aplicação bancária do Moey!, a aplicação renovada do OLX, MEO GO, TVI Player, etc.

No entanto, nem tudo é perfeito, ou seja, existem aplicações que apesar de conseguirmos instalar sem os serviços da Google, como é o caso do Skype, ou até do Slack (esta última a equipa do Life Patch utiliza muito para comunicar no seu dia-a-dia), tem problemas no envio das notificações Push.

Sempre que alguém da equipa me enviava uma mensagem pelo Slack, eu nunca recebia qualquer tipo de notificação. Em relação ao Skype, o que se passava era idêntico, aliás nem quando me ligavam recebia indicação de chamada a entrar! Esta situação, deve-se ao facto das aplicações em questão utilizarem os Google Mobile Services, para darem as notificações Push, algo que poderá vir a ser resolvido quando existir uma versão que dê uso aos Huawei Mobile Services, que é o serviço criado pela Huawei para substituir os da Google nos seus dispositivos.

Apesar de algumas dificuldades ao nível das notificações Push, via-me perfeitamente a utilizar um dispositivo da marca, nomeadamente este Mate 30 Pro, como meu telefone de uso diário. Mesmo sem os serviços da Google.

Em suma, o que poderemos estar já a assistir é o firmar do ecossistema da Huawei, e quem sabe num futuro próximo quando estas restrições comerciais por parte dos Estados Unidos forem retiradas, poderemos vir a ter as aplicações da Google para download na AppGallery. E assim a Huawei vir a tornar o seu modelo de negócios idêntico ao da Apple ou Google com os seus dispositivos próprios, loja de aplicações e futuramente o seu próprio sistema operativo com o HarmonyOS.

AppGallery da Huawei

Desde já o nosso obrigado à Huawei Portugal pela cedência do equipamento.

Deixe uma resposta